MAUS TRATOS AOS ANIMAIS


MAUS TRATOS AOS ANIMAIS-qualquer cidadão pode fazer a denuncia: CRMV- Unidade Regional do Sul de Minas Gerais. Delegado Dr. Marden. 35/ 3221-5673. Horário: 8 ao meio dia, 13 até 17 h. E-mail: crmvmg.suldeminas@crmvmg.gov.br

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Mendigo, Catador de Latinhas ou Bandido?

Outro dia assisti um vídeo-denuncia de um suposto mendigo, que na verdade estava com um saco cheio de latinhas, o que demonstrava que era um profissional da reciclagem, porém algemado como um bandido qualquer. Estranho! Se fosse um mendigo seria mesmo um abuso: o coitado além de não ter onde morar, onde comer, onde se lavar com dignidade, ainda tem que sofrer a humilhação de ser tratado como um ladrão qualquer. E não venham me dizer que era justamente para se lavar, comer e ser tratado com dignidade que ele estava sendo OBRIGADO, algemado e conduzido à força a um albergue! Se fosse um catador de latinhas também seria um abuso enorme: quer dizer que um trabalhador da classe pobre está sendo duramente discriminado e não pode mais exercer seu ofício, o mesmo que sustenta sua fome? Se fosse um bandido, ora, seria normal ser algemado e não teria necessidade de um vídeo-denuncia fazendo esse alvoroço todo!
O fato é que se trata se um ser humano que não conseguiu possibilidades durante sua vida, foi esquecido pelas autoridades e por isso rala de sol a sol, nas ruas, sujo, cansado e aguentando humilhações de toda a espécie. Esqueceram dele! 
Ah! Agora ele resolveu aumentar seu campo de trabalho indo á luta no centrão de nossa cidade, pois lá é que consegue um número bem maior de latinhas, aumentando assim sua renda. Ele é empreendedor, apesar de ninguém notar. Esse fato fez com que o percebessem. Ora, ora, foi notado nosso "joão ninguém"!
Ainda que de um jeito torpe, afinal "ele estava enfeiando nossa linda cidade"! Sujando nossos bancos de praças e os cartões postais de nosso município. Por isso vamos levá-lo para um albergue! Apesar do trauma que muitos tem dessas idas abruptas e contra vontade. O coitado ainda diz no vídeo que lá no albergue vai "apanhar". Será? Eu não creio nisso! A ficção conta causos monstruosos de gente sendo levada a força, depois espancada, depois conduzidas a cidades vizinhas e lá abandonadas. Assim, traumatizados e com medo de passar por isso de novo, jamais retornariam. mas, graças ao bom Deus isso é só na ficção! Eu ainda acredito no ser humano e ainda mais na minha querida cidade.
Bom, agora, falando do outro lado da questão: Por que tratariam uma pessoa dessa forma se são pessoas de bens? Ora, provavelmente são profissionais despreparados, obedecendo ordens de pessoas despreparadas. Porém, um não faz o todo. Eu aprendi nos meus contos de fadas, que os reis não tem o controle de todos os seus súditos, muito menos de todos os seus guardas. Uma pessoa que trabalha para o rei, se faz algo errado, tem que ser julgada. É nisso que acredito! Que a justiça será feita! O vídeo serviu como denuncia, serviu, a história conta que sempre tem que ter uma denuncia para que providencias sejam tomadas. Então,  o denunciante é um herói? NÃO! Não caiam nessa! É tudo um jogo de interesses. Dizem que são OPORTUNIDADES POLÍTICAS que fazem um momento virar história. Alguém, que já foi rei, ou que é parente de alguém que já foi rei, que tem papel político na história de um lugar, pega um erro de alguém despreparado e aproveita para jogar lenha no reinado do seu inimigo. Porém, esse alguém, quando teve o poder na mão, também CAGOU E ANDOU  com a situação dos "joão ninguéns". 
Pois é meu amigo mendigo, catador de latinhas, a partir desse vídeo, você não foi mais esquecido, você foi lembrado, USADO, porém lembrado.  Mas daqui a pouco tudo passa e te deixam em paz...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência.

EPTV SUL DE MINAS